Archive for January, 2008

:)

Posted: January 27, 2008 in Uncategorized

Jantámos, bebemos café, fomos a um bar, sempre em espaços para não fumadores, já no carro a caminho de casa ou de outro bar:
Queres ir embora ou vamos a outro sitio?
Como queiras…
Vou mostrar-te um bar com musica ao vivo onde gosto muito de ir.
Ok

Estacionei sem qualquer dificuldade, coisa nada habitual. Uma rapariga e dois rapazes estavam a sair do bar, nem uma da manhã era, coisa nada habitual…
Mas seguimos até à zona de entrada. Estranhei não ver o anuncio de quem tocava naquela noite, mas como se ouvia musica…
Quando chegámos à porta, os meus olhos nem queriam acreditar. Autocolante azul… permitido fumar.
Se eu sei disto antes… – digo para ela, já a fazer planos de voltar ali muitas vezes!
Toco a bela da campainha e um ou dois segundos depois, a porta abre-se, desvendando um belo porteiro, cor de ébano e barba loira.
Olhou-nos de alto a baixo, espreitou se estávamos mesmo sozinhas e com a porta meio encostada começa a falar.
Não sei se sabem, mas a gerência mudou.
Não.
– Respondi sem perceber porque raio isso seria relevante, e com vontade de o empurrar para o lado e entrar naquele pequeno paraíso de fumo.
A gerência mudou… – Repetiu.
Sim…?! – Já estava a perder a paciência com o homem, eu não conhecia o gerente anterior, nem tinha intenções de conhecer o actual.
É que... – começou hesitante- …isto agora é um bar de alterne!
Ahhhh
– foi a maravilha que nos saiu, a mim e a ela.
Ele já aliviado pela confissão, sai e ficamos os três em amena cavaqueira.
Podem entrar, não tem qualquer problema, queria só avisar… – dizia ele a olhar para nós, como se fossemos um casal, vocês tão a ver…
Simpático, acompanhou-nos durante uns passos, em direcção ao carro, não sei se para garantir que íamos ou se tinha apenas vontade de nos convidar para um casting!
A gerência não mudou há muito tempo pois não? – Disse-lhe em laia de despedida.
Não! – Respondeu seguro. – Há uns dois anos ou assim!
Enfiei a cara no chão e lá fui para o carro, orgulhosa de mim, por a ter levado a um bar de alterne!
Disto tudo tiro duas conclusões.
1ª – Estou a ficar mesmo velha, já acho que mais de 2 anos sem ir a um sitio é pouco tempo. (Sim, porque eu acredito que se lá tivesse ido entretanto teria percebido, sou distraída, mas não sou cega!);
2ª Se quiser ir a um bar para fumadores, tenho que começar a frequentar bares de alterne!

Quando eu descobrir como se cola a porra do autocolante ali de lado transformo esta chafarica num local para fumadores, mas não se preocupem que já tenho uma boa exaustão de fumos! E sempre é uma alternativa para as noites de sábado! 👿

Advertisements

sem palavras

Posted: January 22, 2008 in Uncategorized

No supermercado, apenas há minutos atrás:

Coscuvilheira velha – Boa tarde vizinha.
Eu (com o meu bom modo) – Boa tarde.
Coscuvilheira velha (espreitando-me a barriga) – Atão nunca mais arranja um menino?

Assim, sem tirar nem pôr… perseguem-me! Porra! Um dia destes, passo-me de vez da marmita e cometo um velhicidio!

combinações perigosas

Posted: January 21, 2008 in Uncategorized

Desculpem lá o desabafo, mas era isto ou chegava ali ao lado e partia para a ignorância…
Se há coisa que me irrita é a arte da maledicência. Não falo desse cortezinho na casaca que todos acabamos por dar, nada disso, falo dos profissionais da má-língua. Certamente conhecem alguns. Há quem não consiga falar 5 minutos sem recorrer a esta prática. Fazem-no sem o menor pudor, sem conhecimento de causa e colocam-se numa posição elevada, de quem tudo sabe, tudo vê e tudo pode dizer, em que a arrogância é a imagem de marca. Dizem-se sempre justos e que conhecem todos à légua, quando os outros falam mal, são malcriados, quando eles falam mal, são frontais, os outros são engraçadinhos, eles são bem humorados, os outros têm que falar baixo, eles podem aumentar o volume… para mim são apenas uns tristes, a quem Deus deu boa garganta e a mim deu-me bom ouvido. Ora isto nem é mau, mas em conjunto é desastroso!

a pedido I

Posted: January 12, 2008 in Uncategorized

OLÁ!!! 😛

Bem deixemos os “olás” e passemos ao que interessa, este aqui apresenta-vos hoje uma novidade, uma espécie de discos pedidos. É muito simples o funcionamento, quando quiserem dedicar alguma coisa a alguém, podem usar este espaço. Contactam-me e se passar na censura, eu publico.
A ideia surgiu porque o meu amigo Zetonf queria dedicar um post a uma amiga que está com a asa avariada, mas como é um rapaz tímido, não sabia como o fazer. Eu, que também sou um rapaz tímido, desculpem, rapariga, pensei que o devia ajudar, temos que ser uns para os outros, vai daí, pensei fazer eu a publicação.

Do Zetnof para a sua amiga:

os anjos têm asas…
lindas e vulneráveis…
as vezes acontece…
e o tempo esmorece!

a amizade é xarope
da insegurança…
a asa parte a galope…
mas vem a confiança!

o destino ri-se
o homem está seguro…
o passado lá disse
e futuro é passar o muro…!

(poema do Zetnof)

Até ao próximo programa! 😉

o que o K diz à N

Posted: January 11, 2008 in Uncategorized

olá
olá
olá
olá
atão!?
olá
olá
olá
não sabes dizer mais nada!?
olá
olá
olá
olá
porra este gajo não diz nada de jeito!

Marta e CD

Se por uma hipótese remota virem um post mais estúpido que este, peço-vos encarecidamente que mo mostrem!

recordar

Posted: January 5, 2008 in Uncategorized

Não vi os Gatos no fim de ano, mas andei a espreitar o que por lá se passou. As Doce! Confesso, eu era fã e fiquei com saudades.

Passeei-me pelo You Tube e encontrei pérolas, desde a Abelha Maia, ao Tom Sawyer, ao Marco, à Heidi, e muitos, muitos mais… tive vontade de os trazer a todos para aqui, mas eu fui lá por elas e daí, são elas que aqui ficam hoje. Lamento não ter imagens. Fiquem com a letra que é um doce, salgadinho!

 Bom fim de semana!

vicio

Posted: January 2, 2008 in Uncategorized

Entrei a medo, olhando os cantos, os recantos, tentando perceber se naquele clube que me parecia privado haveria espaço para mais um voyeur!
Parecia-me vazia a casa, mas alguém deixara ali aquela droga. Confesso… nem sequer tentei resistir. Consumi a primeira dose. Sai pouco depois, esquecendo a impressão digital que me denunciaria e o perfume a pairar no ar… sai para voltar a entrar. Todos os dias, na ressaca das horas voltava ávida por mais. Consumi tudo o que me foi dado, acabando com o tempo, por entrar num estado de embriaguez profundo.
Passei por lá horas, vagueando pelos espaços, pelas aventuras, consumindo cada palavra, cada som, cada gesto, deixando um pouco de mim, entregando-me a jogos, a desafios, a sensações! Como qualquer viciado, pareceu-me no inicio que mantinha as rédeas firmes e que era meu o controlo, mas com o tempo, com o passar dos dias, das semanas, dos meses, dei por mim presa naquela casa, naquela droga, naquela sensação. Descobri-a mil vezes, na vida, em mim, nas surpresas e ironias de que são feitos os dias.
Passado que está um ano, o vicio tomou conta de mim! E eu estou feliz por isso…