Archive for August, 2008

Posted: August 31, 2008 in Uncategorized

“So need your love, so fuck you all
I’m not scared of dying, I just don’t want to
If I stop lying, I’ll just disappoint you”

Advertisements

é isso aí

Posted: August 25, 2008 in Uncategorized

A Ana postou uma musica linda, que me relembrou de uma versão que eu amo de paixão.

http://www.youtube.com/watch?v=J6wXsid0HbQ

Como brinde encontrei o poema…

“Eu não vou separar as minhas vitórias dos meus fracassos. Eu não vou renunciar a mim… nenhuma parte. Nenhum pedaço do meu ser, vibrante, errante, sujo, livre, quente…”

… homens… puffff

Posted: August 19, 2008 in Uncategorized

Ora o Rui, sendo homem não foge à regra e é como todos os outros… teve o desplante de me mandar isto, a que apelidou de pensamento bonito:

Razões porque raramente convido uma rapariga para sair: Vai-se a sítios onde as bebidas custam o dobro do preço, passa-se o tempo a falar de emoções e não posso olhar para as mamas das outras gajas!”

circles

Posted: August 14, 2008 in Uncategorized

Andava eu a correr canais quando aterro na Fox life, reconheci imediatamente a musica. Foi-me apresentada há uns meses depois de um “solo”. O refrão era mais ou menos assim:
“Circles… hummmm… circles are good Papi!!!!!”
Alguém se lembra da musica?! 😀

 

arglhhhh

Posted: August 14, 2008 in Uncategorized

Não perceberam o titulo? Foi um vómito. Um, dos muitos que tenho tentado evitar.
A manhã começou como qualquer outra. Eu estava religiosamente atrasada e em busca de uma primeira dose de cafeína. Entrei no café em passo de corrida, ainda com aquele ar alienado de quem mal teve tempo de tomar duche, quando dou de caras com a cena.
Ao balcão um sujeito de dedo no nariz.
“Ora porra” – pensei eu – “deixa-me olhar para o lado e fingir que não vi isto.”
Acontece que o café em frente ao balcão tem um espelho… através do qual continuei a ver o sorridente caçador de macacos.
“Ai a merda… o nojento do homem não pára. Vou olhar directamente para ele, talvez se dê conta e pare com esta porcaria.” – Assim o pensei e em má hora o fiz. Então não é que o homem largou o nariz e começou a catá-los das unhas?!

Deixo-vos mais um texto do Rui das Palmas.
Rui, és sempre bem vindo, tu e os teus textos!

“O Huguinho não gostava do Natal. Ponto.

Tudo começava logo no primeiro domingo de Dezembro com a montagem da árvore de natal. Por alguma razão a mãe do huginho achava que devia ser ele a colocar a estrela no topo da árvore. Algum cliché do cinema americano, com certeza. Por alguma razão também a árvore de natal todos os anos era maior, e, o huginho claro está nunca chegava. A risota na família era automática e inevitável.

Depois lá para o meio da semana, a costumeira visita ao centro comercial. Depois do jantar claro. Ao menos se fosse jantar ao centro comercial, ainda podia ir tentar comer ao Macdonald’s. Mas não… Parece que agora os pais modernos já não vão ao Mcdonald´s. Parece que houve um senhor americano que fez um filme a dizer muito mal dos Mcdonald’s e descobriu que se comermos muitos hambúrgueres ficamos gordos e sempre mal dispostos. Devia ser um génio este senhor. O huginho esperava que o tal senhor também se lembra-se de fazer um filme sobre o cozido á Portuguesa, daqueles com muita carne de porco, cheio de chouriça preta e farinheiras. Ora cá está uma comida saudável!

O máximo que conseguia comer num centro comercial era uma salada desenxabida, naqueles restaurantes muito verdes e com um ar muito modernos.

Ainda no centro comercial, ultimamente passou a ser moda ir sentar-se ao colo do Pai Natal. Outro cliché americano, com certeza. Mas tinha que ser, lá se tirava a foto costumeira e a mãe do huginho ficava muito orgulhosa e a pensar que era muito giro, tirar assim uma foto como via nos filmes lá dos “states”.
Mas este ano parece que o Natal iria ser diferente. Não que não fosse penoso para o huginho, só ter autorização para comer os chocolates da árvore de natal depois do dia 25. Ou ter que mostrar um ar satisfeito de cada vez que recebia como prenda um par de meias, um Cd da Floribela ou outra patetice do género que estivesse na moda nesse ano.

Este ano parece que iria participar num presépio vivo.

No meio do subúrbio onde vivia, o presidente do centro cultural, parece que tinha um primo na província que emprestou uma vaca, o burro pertencia á junta (Vá lá saber-se porquê). Ao huginho deram a tarefa de aparecer logo após á meia-noite vestido de anjo e liderando uma pequena procissão até á igreja para a missa do galo. Parecia ser divertido.

Meia hora antes o huginho escondeu-se numa arrecadação para não ser visto e aparecer logo após a meia-noite, dar a boa nova do nascimento do menino e liderar o cortejo. (Mais uma encenação á filme americano, uma ideia da mãe com certeza.)

Assim foi, o huginho esperou que o chamassem, esperou, esperou, esperou.

O que aconteceu foi o seguinte:

Parece que o burro afinal era uma burra, e estava prestes a dar á luz, o que aconteceu 5 minutos antes da meia-noite. O primo do presidente do centro cultural acorreu logo pois homem do campo é que sabia. O resto do público logo começou a tirar fotos do momento. A vaca não gostou do movimento e zás. Uma cornada no presidente da junta. O presépio vivo logo acabou ali. Tudo para o hospital e nunca mais se lembraram do huginho dentro da arrecadação.

Foi a melhor noite de natal do huginho!”

para ti…

Posted: August 9, 2008 in Uncategorized

Hoje é para ti.
Sem muitas palavras mas com imenso carinho.
“Amar é um deserto e seus temores…” – mas sempre chegamos a um oásis! 😉

Deixo-te um beijo e um abraço apertado.

Marta