Archive for February, 2009

gente honesta

Posted: February 23, 2009 in Uncategorized

Hoje tenho esperança num mundo melhor!
Depois do almoço fui ao supermercado e aproveitei para beber um café no quiosque da entrada. Ao pagar percebi que tinha pouco dinheiro e como o multibanco ficava ao lado, dirigi-me ao mesmo e lá levantei mais 20€. Agarrei-me ao extracto a fazer contas de sumir, e lá vou eu em passo largo. Nessa altura ouço:
“Senhora, senhora.”
Virei-me e vejo uma cara sorridente na minha direcção continuar:
“A senhora levantou dinheiro no multibanco, mas deixou-o lá!”
Agradeci, entre o sorriso e a vergonha, voltei atrás, agarrei nas duas notas de 10 e lá continuei…
Este episódio faz-me ter esperança, há ainda gente honesta, temo é pela minha sanidade mental…

Advertisements

diario I

Posted: February 7, 2009 in Uncategorized

Levantei-me quase à uma e ainda assim dormi pouco. Almocei torradas e fiz uma lista de compras imprescindíveis. Sai para o supermercado e enquanto bebia café, lembrei-me que me tinha esquecido da lista. Fiz as compras, as que precisava e as outras também, paguei-as (doeu tanto), carreguei para o carro os sacos com ar de mula de carga e fui para casa, não fosse dar-se o caso de eu inventar mais qualquer coisinha para gastar dinheiro. Estacionei e ao sair do carro aterrei com a minha bela bota de bico em cima de cocó de cão, daquela liquida e bem cheirosa. Carreguei os sacos para casa, praticamente ao pé coxinho e lá fui lavar a dita da bicuda. Um aroma que era uma delicia, ainda pensei em deitá-la no lixo, mas acho que depois sair descalça me daria mais trabalho…

Pensando bem, nem sei porque estou a escrever um post… afinal, está a ser um dia perfeitamente normal e a correr bem!  😕

mais do mesmo

Posted: February 1, 2009 in Uncategorized

Hoje não sei se pela sangria se pelas caipirinhas se apenas por mim mesma apetecia-me escrever mas… nada. Como alguém já disse, os pensamentos voam, mas as palavras seguem a pé! Enquanto eu decido se me lanço ao chão ou se permaneço em pé deixo-vos uma voz que me apaixonou. Duas versões de duas musicas que todos conhecemos, duas versões tão iguais e tão distintas, como nós mesmos, feitos da mesma massa. Carne e osso, de consistências tão diferentes e em tudo idênticas…